sexta-feira, 14 de maio de 2010

As Séries Canceladas Pela ABC Até o Momento

 
(clique nas imagens para ampliar)

As informações ainda não são oficiais, o canal deverá se pronunciar durante coletiva de imprensa a ser realizada essa semana. Mas a imprensa americana já divulga como certo os cancelamentos de várias séries da ABC. A maioria já está fora do ar e visto que muitos de seus atores já estão no elenco de novos projetos, é improvável que sejam renovadas. Por isso, fiz essa lista com os dados de cada uma. Não nclui "Romantically Challenged", estrelada por Alyssa Milano, que vem sendo anunciada como cancelada, porque a própria atriz divulgou em seu Twitter que as notícias ainda não foram confirmadas. Também não inclui "Happy Town" porque não há confirmação por parte de produtores ou elenco. O cancelamento de "Scrubs" já tinha sido divulgado aqui, quando confirmado pelo ator Zach Braff.

"The Deep End" foi cancelada com uma única temporada de 6 episódios exibidos durante a a midseason de 2010. Geralmente, séries que estréiam na mid-season americana são produções nas quais os canais não colocam muita fé em sua continuidade, ou são séries que não ficaram prontas a tempo para estrear na temporada normal. No entanto, com a transmissão dos Jogos Olímpicos de Inverno, devemos considerar que a maioria das séries que estrearam durante esse período nos EUA se enquadram na primeira categoria. Nenhum canal se arriscaria a exibir as produções com potencial de público durante o período de transmissão dos jogos. Assim, as séries nas quais os canais não colocam muita fé estrearam nessa época, praticamente para engrossar o pacote de inéditos das grades durante os jogos.

"The Deep End" estreou no dia 21 de janeiro conquistando uma baixa audiência. Teve em média 7 milhões de telespectadores, necessitando no mínimo de 10 milhões, ou pelo menos 9, para ser considerada uma boa estréia. Os episódios seguinte conquistaram uma audiência ainda menor, sendo que o último exibido antes do cancelamento fechou com uma média de 4 milhões de telespectadores.

A série que trazia no elenco o ator Billy Zane, girava em torno de jovens trabalhando em um importante escritório de advocacia. Curiosamente, esta foi a segunda tentativa da ABC de produzir "The Deep End". Em 2008 o canal chegou a filmar um episódio piloto já com Billy Zane no elenco. Inicialmente batizado de "The Associates", o projeto mudou o nome para "The Deep End" quando o piloto foi produzido, tendo também no elenco os atores Roger Bart, Morena Baccarin (atualmente em "V") e Gail O'Grady, entre outros.


Já a série "The Forgotten" estreou em setembro de 2009, mantendo uma média de 6 milhões de telespectadores ao longo da exibição de 15 dos 18 episódios originalmente encomendados. Criada por Mark Friedman, era produzida por Jerry Bruckheimer. A série teve um episódio piloto inicial produzido com outro elenco. Após a exibição para avaliação, parte do elenco foi trocada, incluindo a substituição de Rupert Penry-Jones por Christian Slater. Posteriormente a atriz Elisha Cuthbert, entrou para a série.

A história girava em torno de um grupo composto por detetives amadores que resolviam casos envolvendo vítimas não identificadas pela polícia. A série tem previsão de estreia no Brasil pelo canal Space em julho.


Quanto à "Better Off Ted", a imprensa vinha divulgando as poucas chances que a série tinha de ser renovada, especialmente com base nas informações de que seus atores e roteiristas estavam liberados para buscarem novos trabalhos.

A série estreou na midseason de 2009 com 13 episódios; apesar da baixa audiência (cerca de 3 a 4 milhões de telespectadores), foi renovada para uma segunda temporada também com 13 episódios. No entanto, saiu do ar com apenas 11 episódios exibidos para a segunda temporada. Apesar da indicação ao Emmy de melhor comédia em 2009, a série não conseguiu conquistar público ou crítica, mantendo uma média de 2 milhões de telespectadores para o segundo ano. Ccriada por Victor Fresco, a série girava em torno de funcionários do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento de uma Corporação.



"FlashForward" entra para a história da televisão como a série que se fez por causa de uma campanha de marketing. O fato é importante, pois prova que nem tudo na televisão se sustenta apenas com divulgação, é necessário ter o suporte de um bom desenvolvimento de roteiro, ou pelo menos mediano, como é o caso de muitas séries que ainda estão por aí.

Primeiro era para ser um filme; então, o projeto que tem como base um livro de Robert J. Sawyer foi oferecido à HBO, que após o desenvolvimento do primeiro roteiro, a rejeitou. O canal sugeriu aos produtores que procurassem uma TV aberta, pois o material seria mais adequado a eles. Aí já dava para perceber que a produção tinha problemas. Uma história como a de "FlashForward" ser recusada pela HBO depois de lerem o roteiro? Tá certo que o canal também rejeitou "Mad Men", mas não foi pela qualidade da série e, sim, pelo temor em bancar uma produção cara com um produtor novato.

Mas, os produtores de "FlashForward" não desistiram e assim o projeto chegou à rede ABC que viu na série a oportunidade de cobrir o buraco que seria deixado por "Lost". Em função disso, a anunciou ao mundo inteiro que uma nova "Lost" estava nascendo. Pronto! Cento e quarenta países, pelo menos, acreditaram que teriam seus espaços comerciais garantidos pelos próximos cinco anos e compraram a série só com base nessa campanha, sem sequer terem visto o episódio piloto (não que isso seja raro).

O primeiro episódio da série registrou uma média de 12.47 milhões de telespectadores, sendo que um dos últimos exibidos até agora, chegou a uma média de 4.77 milhões. A queda vertiginosa em menos de 20 episódios de um total de 22 (sendo que originalmente foram encomendados 26 episódios), não conseguiu sustentar a campanha de marketing que cercou a produção.

Se tivesse ficado na TV a cabo, a série poderia ter uma chance, muito embora remota, pois precisaria arrumar o roteiro e personagens. Mas a necessidade de uma grande audiência estaria descartada. Os 6 milhões que a temporada vem registrando até o momento seriam mais que suficientes. Aliás, metade desse número já teria garantido à série uma segunda temporada.

Na TV aberta, o objetivo é conquistar a audiência de massa, seja lá com que produção for. Se tiver conteúdo, ótimo, mas se não tiver, e ainda assim, conquistar público ou falatório em torno dela, a produção pode se manter. "FlashForward" tinha a segunda opção, mas de forma negativa. Aí, não vale!

Outra questão que vale a pena se considerar é o tema. Será que a massa está preparada para passar mais cinco ou seis anos tentando entender o que está acontecendo em uma série de TV? A própria "Lost" se despede com índices bem abaixo de sua própria história, embora o último episódio deverá registrar, com certeza, um renovação nos números da audiência. ...Fica aqui a pergunta, sem uma resposta definitiva!

Outras séries já canceladas pela ABC e divulgadas aqui são: "Eastwick", "Ugly Betty" e "Hank". Sendo que "Lost" encerra sua produção.  

Entre as séries já renovadas para uma nova temporada estão: "V", "Private Practice", "Grey's Antaomy", "Desperate Housewives", "Castle", "Brothers and Sisters", "The Middle", "Cougar Town" e "Modern Family".

2 comentários:

David ®... disse...

concordo com vc em relação a Flash Forward ... ninguém aguentaria passar mais um temporada de perguntas sem respostas igual a LOST. Isso sem contar o roteiro e os personagens.

Better Off Ted, confesso, eu curtia e me identificava muito...parecia meu ambiente de trabalho..q pena q foi cancelada.

bjos Fernanda

weligton disse...

Better off Ted era GENIAL, INCRÍVEL!!!

Copyright@ 2006-2010 - Revista TV Séries. Textos com seus direitos reservados.