quinta-feira, 18 de março de 2010

Fess Parker (1924-2010)


O ator famoso por interpretar os personagens históricos Davy Crockett e Daniel Boone, faleceu no dia 18 de março, aos 85 anos de idade, de causas naturais. Com sua morte, a televisão americana perde um de seus ícones.

Fess Elisha Parker. Jr. nasceu em 16 de agosto de 1924. Praticava esporte na Hardin-Simmons University em Abilene e seu sonho era seguir carreira no futebol, mas acabou trocando-a pelas artes. Formou-se em história pela University of Texas em Austin e depois em Artes pela University of Southern California.

Fess Parker com Peter Lorre (à direita)

Iniciou sua carreira de ator em 1951, primeiro atuando no teatro, e depois no cinema, onde fez pontas e figuração. Por ser muito alto, Fess teve dificuldades em conseguir trabalhos no cinema. Foi então para a televisão, onde em 1954 começou a fazer pontas em séries como "Dragnet" e "Annie Oakley". Nesse mesmo ano, soube que os estúdios Disney estavam selecionando atores para a sua primeira produção não animada, que seria exibida dentro do programa "Disneylândia".

A Disney produziria três telefilmes narrando a história de Davy Crockett, um dos pioneiros americanos que morreu durante um ataque indígena ao Forte Álamo. James Arness, irmão de Peter Graves, recentemente falecido, estava sendo sondado por Walt Disney, que decidiu conferir seu trabalho assistindo ao filme "Them!" estrelado por ele. No mesmo filme, Disney viu Fess Parker, em um papel menor, e decidiu escolher ele para o papel. 

Buddy Ebsen e Fess Parker em programa da Disneylândia

"Davy Crockett, Indian Fighter", foi o primeiro telefilme que estreou em 15 de dezembro de 1954, tornando-se quase que da noite para o dia em parte da cultura americana. O sucesso surpreendeu à todos, inclusive Walt Disney que, apesar de estar produzindo para a TV, não a via como um veículo capaz de lhe proporcionar um grande público ou credibilidade; nesse primeiro momento, a televisão era apenas uma forma de levantar o dinheiro que faltava para terminar de construir o parque Disneylândia.

Os filmes de "Davy Crockett" geraram uma enorme gama de produtos agregados, desde camisetas, passando por livros, violão, toalhas, rifles de plástico, colcha de cama e, é claro, o ítem mais importante e significativo para qualquer fã do personagem: o chapéu de pele de guaxinim (que não devia ser verdadeiro).

A música tema foi outro sucesso à parte. Interpretada por Bill Hayes, "The Ballad of Davy Crockett" chegou rapidamente ao primeiro lugar das paradas musicais, na qual ficou por 13 semanas seguidas. Como naquela época todo mundo que fazia sucesso na TV gravava discos, Fess Parker também gravou o seu, aproveitando o sucesso que Davy lhe proporcionou.


O terceiro filme retratou a morte de Davy no Álamo, causando revolta nos fãs que sofreram com a perda do herói. Visto que não era possível produzir novos telefilmes após o período da morte do personagem, os estúdios da Disney decidiram produzir a primeira prequel, ou prelúdio, que se tem notícias da história da televisão. Assim, surgiram mais dois telefilmes com histórias que antecediam a morte do personagem. Aproveitando o sucesso, foram produzidos dois filmes para o cinema, que consistiam em reeditar os três primeiros telefilmes, transformados no "Davy Crockett, King of the Wild Frontier", em 1955; e "Davy Crockett and the River Pirates", que era composto pela reedição dos dois prelúdios, lançado nos cinemas em 1956.

Como sumplantar esse sucesso? Como dar continuidade a uma carreira que tinha Davy Crockett como referência?  Embora sua altura ainda atrapalhasse o ator a conseguir novos trabalhos, seu sucesso fez com que surgissem melhores ofertas. Fess ainda fez mais alguns trabalhos para os estúdios Disney, até descobrir que Walt, em pessoa, andava recusando ofertas de trabalho em seu nome, entre elas, um filme que seria dirigido por John Ford. Assim, em 1958, Fess negociou o fim de seu contrato com a Disney e partiu para uma carreira solo.


Após alguns trabalhos menores, em filmes da Paramount, Fess Parker retornou à televisão em 1962 para estrelar a série "Mr. Smith Goes to Washington", versão televisiva do filme "A Mulher Faz o Homem", estrelado por James Stewart. A série não agradou, sendo cancelada com apenas uma temporada de 26 episódios. Ele então voltou ao teatro achando que sua carreira seria restrita aos palcos.

Mas, nesse mesmo período, os telefilmes de "Davy Crockett" começaram a ser reprisados, reavivando a euforia em torno do personagem e do ator. Aproveitando o momento, Fess decidiu criar sua própria produtora, a Fesspar Enterprise, e, em parceria com Aaron Rosermberg, produzir uma série sobre Davy Crockett, para ele estrelar.

Parte do elenco de "Daniel Boone"

No entanto, Walt Disney recusou-se a liberar os direitos sobre o personagem. Não que ele tivesse algum, já que se trata de uma figura pública, mas a oposição de Disney afugentou investidores, que temiam possíveis processos por parte dos estúdios Disney. Assim, Fess procurou outro personagem histórico, do mesmo período e com as mesmas características para interpretar, e encontrou Daniel Boone.

"Daniel Boone was a man, was a big man (...)" essa era a introdução da música tema da série, que cabia direitinho ao tamanho do próprio ator. A série "Daniel Boone" foi produzida entre 1964 e 1970, pela NBC, com produção da Fesspar Enterprise, que detinha 30% dos direitos e dos lucros, em parceria com a 20th Century Fox e a NBC.  Entre os produtores executivos estava um jovem desconhecido na época, chamado Aaron Spelling, que iniciava sua carreira nessa área. No Brasil, a série teve sua segunda temporada lançada em DVD pela Focus.

Com Patricia Blair em "Daniel Boone"

Em 1974, o ator tentou estrelar uma nova série, "The Fess Parker Show", que teve um piloto produzido, mas não chegou a ser comprado por nenhum canal. Na história, ele interpreta um viúvo que precisa lidar com suas três filhas. Descontente com Hollywood, Fess recusou a oferta de estrelar a série "McCloud", que foi entregue à Dennis Weaver, também já falecido. Fess afastou-se da carreira de ator e passou a trabalhar no ramo imobiliário.

No final da década ele entrou para o ramo de hotelaria, ao comprar um terreno da Southern Pacific Railroad, transformando-o no Fess Parker's Red Lion Resort, em 1986, que depois foi rebatizado com o nome de Fess Parker's Doubletree Resort. O hotel 5 estrelas oferecia também locais para conferências e convenções.

No ano seguinte, 1987, Parker passou a investir no ramo de vinhos, comprando um terreno em Los Olivos, condado de Santa Barbara, no qual montou o Fess Parker Winer & Vineyards, inaugurado em 1989. Seus vinhos se tornaram um grande sucesso, chegando a ganhar vários prêmios. Em 1998, Fess comprou o Grand Hotel em Los Olivos, unindo-o ao vinhedo e transformando-o no Fess Parker's Wine Country Inn & Spa.

Casado desde 1960 com Marcella Parker, Fess teve dois filhos, Eli e Ashley.


Veja outras informações aqui.
Confira entrevista em sete partes com o ator para o Arquivo Nacional da Televisão Americana.


Com seus filhos nos anos 60

Com Darby Hinton e Patricia Blair 
em "Daniel Boone"

Em 1978, Fess Parker e Buddy Ebsen se reuniram em um especial de aniversário da Disneylândia e interpretaram a música tema de "Davy Crockett".

2 comentários:

JOSE RENATO (86) disse...

Daniel Boone, um dos heróis da minha infância. Grande perda. RIP!!!!

audiebronson disse...

perdemos dois atores que fizeram parte de nossas vidas o peter graves eo fess parker

Copyright@ 2006-2010 - Revista TV Séries. Textos com seus direitos reservados.