sábado, 12 de setembro de 2009

Comentários Sobre Lie To Me, Lançada em DVD

A distribuidora Fox lançou no mercado brasileiro a primeira temporada da série "Lie to Me", que no DVD recebeu o título de "Engana-me se Puder". A estréia da série em DVD ocorre antes da TV.

Criada por Samuel Baum, a produção tem como base as experiências científicas desenvolvidas pelo Dr. Paul Ekman, que serve de consultor da série. Ele é um especialista que consegue identificar a verdade obserando as expressões das pessoas. A série é estrelada por Tim Roth, Kelli Williams, de "O Desafio/The Practice", Brendan Hines, visto em "The Middleman", Hayland MacFarland, Sean Patrick Thomas, de "The District", Mekhi Phifer, de "ER", e a novata Monica Raymund, além das participações semi-regulares de Jennifer Beals, de "The L Word".

Na história temos Lightman, um especialista em identificar quem está mentindo e quem não está. Ele e sua equipe ajudam o FBI e a polícia na solução de crimes, entrevistando testemunhas e suspeitos, dos quais sempre arranca-lhes a verdade, sem que eles precisem confessar.

A produção segue basicamente a proposta perpetuada por séries de investigação como "CSI", "Monk", "House", "The Mentalist" ou "Psych", ou seja, utiliza o talento da dedução lógica, tendo como base uma ciência para chegar a uma conclusão. Além disso, a trama se desenvolve a partir de uma ação inicial que irá movimentar os personagens, e não o contrário, isto significa que a série tem como base uma fórmula, o que não é necessáriamente algo ruim.

Uma série que segue uma fórmula narrativa significa que praticamente todos os episódios terão o mesmo mapa ou cronograma de desenvolvimento, começa e se desenvolve do mesmo jeito; será a relação dos personagens com o caso e entre si que fará a diferença, bem como o grau de dificuldade para resolvê-lo.

No caso de "Lie to Me" temos Lightman (Tim Roth), um especialista em "ler" as emoções das pessoas as quais são retratadas através de gestos e reações faciais. Especialista em entender o significado dessas expressões, Lightman se porta como Deus. O personagem e sua situação é próximo de "House", embora em menor intensidade (sem os remédios, a agressividade e a dor).

Tal qual House, Lightman é orgulhoso de seu talento, é infalível, diz o que pensa e não se envolve emocionalmente com as pessoas, pelo menos assim ele pensa; sabe tudo sobre elas apenas analisando-as a partir de sua especialização; decide o que fazer com a informação e tem pouca fé no indivíduo, já que dificilmente ele consegue se surpreender com eles, mesmo porque, tal qual House, ele acredita que as pessoas estão sempre mentindo. Ele também é divorciado, embora tenha uma filha pré-adolescente. Ainda apaixonado por sua esposa, não consegue aceitar o fato dela o ter deixado, mesmo sabendo que ela está prestes a casar com outro.

Sua relação com a equipe não é das melhores. Embora o respeite e o admire, não há uma relação afetiva, com exceção da dra. Gillian Foster, que está para Lightman o que Wilson está para House, embora em menor intensidade. Foster (Williams) é sua colega mais antiga e confidente, se é que se pode dizer isso, já que ele não costuma dividir suas dúvidas ou angústias. Mas ela conhece sua história e ele a dela. Na próxima temporada ela deverá se transformar em Cuddy. No lugar de Chase temos Eli (Hines), cínico, desapegado, utiliza sua função para aprender o máximo que pode, não tem uma profunda admiração por Lightman mas reconhece que ele é o melhor.

No lugar de Cameron temos Ria (Raymund), jovem que tem um talento nato para analisar as emoções das pessoas, mas lhe falta estudo para melhor aplicar seu dom. Lightman lhe oferece a oportunidade de aprender com ele, tornando-a sua pupila. Os dois se enfrentam regularmente, visto que Ria muitas vezes não concorda com a postura de Lightman com relação às pessoas ou aos casos em que trabalham.

A primeira temporada apresenta ao longo de seus episódios a proposta da série, as características de seus personagens principais bem como um pouco de suas histórias. Algo que promete ser melhor desenvolvido na próxima temporada, pois Shawn Ryan, de "The Shield", assumiu o posto de produtor executivo e já avisou que sua função é aprofundar o desenvolvimento de seus personagens. Potencial para isso a série tem.

Lightman é uma pessoa que lutou para chegar onde está. Não tem o dom natural que Ria tem, estudou durante muitos anos, realizou diversas experiências, algumas das quais não deu certo, entre elas o problema com sua mãe. Agora sofre em lidar com sua habilidade arduamente adquirida, já que não consegue parar de analisar as pessoas mesmo quando não há necessidade. Ninguém consegue mentir para ele, ao menos, não por muito tempo. Com isso, não consegue conversar com alguém sem desencavar toda sua história apenas analisando movimentos e expressões.

Gillian é uma mulher emotiva que aprendeu a não se envolver com os casos que investiga ou com as pessoas com quem trabalha, mas consegue ser mais afetiva que Lightman. Ela mantém sua vida pessoal separada da profissional. Casada, ela enfrenta problemas com seu marido, mas não os compartilha com os colegas de trabalho. Ria está aprendendo as regras do jogo, ainda se envolve, cobra atitudes e critica decisões. Ex-segurança de aeroporto, ela acaba conhecendo um agente do FBI com quem mantém um relacionamento. Eli é o cara que finge estar de bem com a vida. Aparentemente divorciado, não acredita mais em relacionamentos e transfere isto para o trabalho. Sua história foi pouco explorada nesta primeira temporada, talvez na próxima.

Os episódios iniciais, em função de estabelecer a premissa da série, tornou os diálogos um tanto repetitivos, visto que ao analisar as expressões faciais os personagens teciam um discurso do significado de cada gesto, expressão ou movimento. Interessante, é claro, mas depois do terceiro episódio, fica redundante, já que as empressões e as emoções são basicamente as mesmas. Mas no final da temporada este discurso foi diluído.

Para analisar cada expressão dos entrevistados, eles utilizam um banco de dados com imagens de figuras públicas da vida real e os compara com a dos personagens que estão sendo investigados. Um recurso que também diluíram ao longo dos episódios, mas que poderia ser interessante manter ao longo da série.

Para os fãs de séries clássicas temos as participações especiais de alguns atores conhecidos. Antonio Fargas, de "Starsky & Hutch" pode ser visto em duas cenas do episódio 5, "Unchained", no qual interpreta o avô do bombeiro morto, caso que Lightman investiga. Jonathan Banks, o Frank McPike de "O Homem da Máfia", está no episódio 13, "Sacrifice", no qual interpreta um agente do FBI aposentado. Já Kevin Tighe, de "Emergência" e atualmente mais conhecido como o pai de Locke, em "Lost", aparece no episódio 11, "Undercover", como um agente do FBI. Ah, no mesmo episódio ainda temos a participação de D. B. Woodside, o Wayne Palmer, de "24 Horas".

E já que estou falando de atores que ficaram conhecidos em séries mais recentes, temos Mahershalalhashbaz Ali, de "The 4400", no episódio 6, "Do No Harm", no qual interpreta um detetive. No mesmo episódio aparece Stacy Edwards, de "Chicago Hope", novamente interpretando uma médica. No episódio 7, "The Best Policy", aparece D. W. Moffet, ator convidado em várias séries. No episódio 8, "Depraved Heart", vemos Daniel Benzali, de "Crime em 1º Grau", que é acusado de desvio de dinheiro. Richard Brooks, de "Law & Order", está no episódio 9, "Life is Priceless", no qual interpreta um empreiteiro.

No documentário "The Truth About Lie" temos entrevistas com atores e equipe técnica que fala sobre a seleção de elenco, os personagens, as cenas e o cuidado de dirigir os atores convidados para que eles expressem os gestos e os movimentos faciais necessários para a trama. As entrevistas são intercaladas com cenas de bastidores. Mas o documentário de 26 minutos não tem legendas em nenhum idioma, é necessário entender o inglês. O material de Extras também tem uma seleção de umas 20 cenas que foram excluídas ao longo dos episódios da temporada.

"Engana-me Se Puder/Lie To Me"

Estúdio: Fox
Tempo: 585 min
Cor: Colorido
Ano de Lançamento: 2009
Região do DVD: Região 4
Áudio: inglês
Legendas: português, espanhol, francês e inglês
Sistema de som: Dolby Digital 5.1
Formato de tela: widescreen Anamórfico 1.78:1
Nº de Discos: 4
Embalagem: Amaray
Extras: Cenas excluídas, documentário: "The Truth About Lie" e trailer do filme "Nobel Son".
Preço de Lançamento: R$99,90
Compre aqui

7 comentários:

Celeste Morrigan disse...

Comecei a assistir Lie to Me essa semana e estava mesmo me perguntando quanto tempo demoraria para sair o DVD - achei que ia demorar 1 ano ou algo assim, a série não vai estreiar agora na FOX daqui?

Mas nem adianta, acho R$ 99,90 caro para um box com apenas 13 episódios, vou esperar mais para comprar.

E "analisar" é com S.

Moisés disse...

A Fox lançou Sons of Anarchy com vários extras e comentários, mas todos sem qualquer legenda. Nada como o respeito.

Fernanda Furquim disse...

oi Celeste, não tenho informação de quando a série estréia na TV. Thanks pela correção!

Moisés, pois é, material de Extra custa para entrar em box lançado no Brasil e quando entra é só para quem sabe inglês! Estou começando a conferir Sons of Anarchy agora...

Fernanda Furquim disse...

Oi Celeste, acabei de saber que estréia no dia 29 de setembro.

Rodrigo Otávio disse...

A Fox deve passar dublada. Embora muita gente não goste das dublagens, neste caso, em que temos que prestar atenção às mínimas expressões pra entender a trama, a série é melhor assistida dublada.

Moisés disse...

Eu sei inglês, mas mesmo assim me irrita! Enfim, depois escreva um textinho comentando, então. É uma série promissora, eu acho, a Sons.

Nuno disse...

Eu comprei a edição americana que também legendas pt/br.
Excelente comentário sobre a série.

Abraços de Portugal

Nuno Calheiros

Copyright@ 2006-2010 - Revista TV Séries. Textos com seus direitos reservados.