quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Biografia: Candice Bergen


Alguns a identificam por seu personagem Shirley Schmidt de Justiça Sem Limites/Boston Legal, outros se lembrarão dela como Murphy Brown, série cômica de sucesso que foi produzida entre 1988 e 1998 e teve 247 episódios. Com cerca de 40 anos no currículo de atriz, Candice Bergen já era famosa mesmo antes dessa carreira começar, pois seu pai, Edgar Bergen, era um ventríloquo extremamente popular nos anos 40, quando ela nasceu. De fato, a chegada da pequena Candice em maio de 1946, em Los Angeles, tornou-se assunto tão comentado na imprensa, que uma revista de quadrinhos criou uma estória sugerindo que Edgar Bergen tentaria confundir as enfermeiras dando voz à filha.


Sua mãe, Frances Bergen, também era atriz, então logo a garotinha começou a fazer parte do programa de rádio do pai, estreando aos 6 anos. Aos 11, ela participou de You Bet Your Life, como competidora no programa de jogos de Grouxo Marx. Ela tinha uma vida privilegiada, sendo amiga dos filhos de astros famosos como Gregory Peck, Judy Garland e Walt Disney. Mas à medida que crescia, tornava-se intolerante ao estilo conservador dos pais e a sua posição secundária em relação a seu “irmão de madeira”.


Sua rebeldia teve reflexos nos estudos. Depois frequentar as escolas Westlake School for Girls em Los Angeles e Cathedral School em Washington D.C., seus pais a enviaram para um internato na Suíça, onde ficou apenas um ano, pois no local só aprendeu a fumar e beber. Quando chegou a hora de entrar na faculdade, ela escolheu história e redação. Enquanto estudava no University of Pennsylvaia, começou a trabalhar como modelo da Ford e conseguiu adquirir uma câmera, com a qual realizou sua nova paixão: a fotografia. Nessa atividade ela contribuiu para as revistas Life, Esquire e Playboy.

Antes de se formar, saiu do curso e voltou para Los Angeles, onde começou a viver com o produtor musical Terry Melcher (filho de Doris Day). Em 1966, fez sua estreia no cinema com o filme The Group, de Sidney Lumet. Uma escolha apropriada a sua personalidade controversa, já que seu personagem, uma homossexual, caía na categoria tabu, na época. Embora o filme tenha sido um fracasso de bilheteria, ele foi um impulso a sua carreira, dando a Candice a chance de contracenar com Steve McQueen em The Sand Pebbles, que foi indicado ao Oscar de melhor filme. Ainda assim, os críticos não foram generosos com esse desempenho, nem com os que se seguiram ao longo da década.

Essa condição começou a mudar nos início dos anos 70, quando ela participou de Carnal Knowledge (1971). As críticas foram mais positivas, mas não o suficiente para mantê-la em Hollywood. Candice então foi para a África, onde ficou um tempo na reserva de chimpanzés da antropóloga Jane Goodall, dando continuidade à atividade de fotojornalismo. Sua cobertura exclusiva do Presidente Gerald Ford e família foi publicada na Ladies Home Journal, e sua matéria com Charlie Chaplin foi capa da Life.

Quando voltou à carreira de atriz em 1975, finalmente conquistou a admiração da crítica no filme The Wind and The Lion. Neste mesmo ano, ela se tornou a primeira mulher a apresentar Saturday Night Live. Essa década também ficou marcada por sua reaproximação com Edgar (que faleceu em 1978), uma indicação ao Oscar de melhor atriz coadjuvante por Starting Over e seu romance com o diretor francês, Louis Malle, com quem se casou em setembro de 1980 e teve uma filha, Chloe Malle, em 1985.

Com Louis Malle

Com Chloe (2004)

Em 1982, ela teve a chance de unir sua paixão por fotojornalismo com o cinema, quando interpretou a fotógrafa Margaret Bourke-White em Ghandi. Em 1985, começaram a surgir oportunidades no teatro e em telefilmes, e em 1987, ela deu início à série que conquistou o público e atingiu notoriedade durante a campanha presidencial de 1992, quando o então vice-presidente, Dan Quayle, protestou contra a postura da série na questão família. A jornalista Murphy Brown era uma mulher independente, mas também uma ex-alcóolatra, que mais tarde torna-se mãe solteira e afirma que o pai não é importante na criação de uma criança. O discurso de Quayle não apenas provocou uma discussão sobre os valores familiares, mas levou à produção do episódio You Say Potatoe, I Say Potato, no qual os personagens da série reagem ao vice-presidente, zombando de seus comentários e celebrando a diversidade da família americana moderna.


Na última temporada de Murphy Brown, a abordagem do câncer de mama, contra o qual a personagem luta ao longo de vários episódios, representou um estímulo à realização de exames de mamografia. O aspecto positivo do tema, não evitou as críticas de grupos conservadores, quando Murphy começa a utilizar maconha para aliviar os efeitos colaterais da quimioterapia. Apesar dos protestos, Candice Bergen recebeu um prêmio da American Cancer Society por ter contribuído para a conscientização da importância dos exames preventivos. Assim como na série, Candice teve de enfrentar o câncer em casa, quando em 1995 Louis Malle faleceu vítima de linfoma.

Por seu trabalho na série, ela conquistou muitos outros prêmios de TV, entre eles, 5 Emmys. Recentemente, ela e o elenco reuniram-se no The Early Show para relembrar essa jornada. Vejam no vídeo abaixo, a entrevista com Candice Bergen, Charles Kimbrough, Faith Ford, Joe Regalbuto e Grant Shaud. Entre os comentários, destacam-se por exemplo, o fato de que a CBS queria Heather Locklear para o papel de Murphy Brown, mas Diane English, a criadora, insistiu em Candice Bergen. Faith Ford temia que Candice não a aprovasse. Ela também salienta a qualidade dos diálogos nas séries, antigamente. E obviamente, Quayle é mencionado.


Depois de Murphy Brown, a CBS a convidou para atuar com jornalista no programa 60 Minutes, mas na época ela não achou adequado misturar as duas profissões. No entanto, em 2000, ela passou a apresentar seu próprio programa de entrevistas, Exhale with Candice Bergen, no canal a cabo Oxygen. Nesse mesmo ano, casou-se com o empresário e filantropo Marshall Rose.

Com Marshall Rose

Com o final do programa, ela participou de alguns filmes e séries. Algumas delas, como Law & Order, Sex & the City e Will & Grace, a colocaram de volta no horário nobre de forma frequente, até ganhar novo papel fixo em Justiça Sem Limites/Boston Legal, entre 2005 e 2008, na ABC. Novamente, seu trabalho recebeu o reconhecimento através de várias indicações ao Emmy e Golden Globe, entre outros.

Em janeiro, ela receberá outra homenagem. A Television Academy’s Hall of Fame, organização criada com o objetivo de reconhecer os esforços de indivíduos que tenham se destacado em suas contribuições à TV, irá prestar homenagem a Candice Bergen, bem como a Gene Roddenbery, e Tom e Dick Smothers (The Smothers Brothers Comedy Hour) em uma cerimônia dia 20 de janeiro de 2010, no Beverly Hills Hotel, Califórnia.

Nenhum comentário:

Copyright@ 2006-2010 - Revista TV Séries. Textos com seus direitos reservados.