quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Ligeirinho Volta Para o Cinema

(clique na imagem para ampliar)

Quem foi criança nos anos 70 e assistiu aos desenhos animados da Looney Tunes, com certeza se lembra do Ligeirinho, um ratinho muito esperto, considerado o mais rápido do México. Com seu sotaque e um sombreiro, ele costumava percorrer o trajeto que o levava ao queijo mais próximo, gritando animadamente "Ándale! Ándale! Arriba! Arriba!" ou "Olé! Olé! Arriba! Arriba!"

Agora o personagem entra na lista das versões cinematográficas de Hollywood. A produção está a cargo da New Line em parceria com a Warner, e deve seguir a linha do que foi feito com "Garfield" e "Alvin e os Esquilos". A dublagem do personagem será do comediante George Lopez; o roteiro está a cargo de Alex Sokolow e Joel Cohen.

Primeira versão de Ligeirinho

Na verdade, o cinema sempre foi a casa do Ligeirinho, visto que seus desenhos eram curta metragens que foram mais tarde exibidos na televisão. Ele surgiu pela primeira vez em 1953 no curta metragem "Cat-Tails for Two", criado por Robert McKinson, também responsável por Frangolino e o Diabo da Tasmânia.

Mais tarde, em 1955, Fritz Freleng e Hawley Pratt reformularam o personagem, dando-lhe um novo visual, aquele que conhecemos hoje. Assim, Ligeirinho ressurgiu com o curta que leva seu nome "Speedy Gonzales" no original. Na história, ele é perseguido por Frajola, que faz vigilância em uma fábrica de queijos na fronteira dos EUA com o México. O curta chegou a ganhar o Oscar de melhor animação em 1955 e o personagem foi homenageado por Pat Boone que escreveu uma canção que leva seu nome.

George Lopez

Ligeirinho voltaria em aproximadamente 45 desenhos, produzidos até 1968, exibidos na TV por volta dos anos 70. Mas, no final da década de 90, ele seria retirado do ar em função de uma controvérsia.

Seus desenhos foram considerados preconceituosos e racistas em relação à forma como os mexicanos eram apresentados nas histórias. Alguns dos personagens eram vistos como ignorantes, beberrões e preguiçosos. Seus desenhos voltariam a ser transmitidos em 2002, graças a uma campanha pedindo sua volta. Ironicamente, o personagem e suas histórias parecem ser muito populares no México.


Esta será a primeira versão para o cinema do Ligeirinho, desde que a produção de seus curtas encerrou na década de 60; embora tenha sido produzido um especial em 1980 estrelado por ele e pelo Patolino. Sendo que o Ligeirinho também teve participações em pelo menos quatro filmes, entre eles "Uma Cilada para Roger Rabbit", de 1988.

A intenção dos produtores para o novo filme é diluir as questões que possam ser consideradas racistas. Na história, ele será um jovem ratinho que vive com a família. Eles são meticulosos em seus afazeres, o que faz com que Ligeirinho se sinta enfadado, já que ele é capaz de fazer as coisas muito mais rápido. Assim, ele decide sair pelo mundo para descobrir como ele poderá fazer melhor uso de seu talento.

Video com Pat Boone cantando a música "Speedy Gonzales"

2 comentários:

Livio Lee disse...

Uau, agora que percebi, o George Lopez é baseado no Ligeirinho, e ficou bem feito, ele é a cara do ratinho :)
(bem pomposo) É a vida imitando a arte.

Rubens disse...

As dublagens dos Looney Tunes nas decadas de 60 e 70 eram simplesmente terriveis, pois estragavam completamente com toda a trilha sonora (e de efeitos sonoros) dos desenhos, alem de descaracterizar completamente a maioria dos personagens. De tao abominaveis, foram o principal motivo de eu passar a odiar dublagens.

Existiu um programa que passava nas tardes da Globo, por volta da decada de 70, que chamava-se "A Turma do Ligeirinho" ou algo parecido. Neste programa, os desenhos do Speedy Gonzalez tinham uma dublagem patética, onde a voz rascante com forte sotaque mexicano do ratinho era substituída estupidamente por uma voz fina, que deixava o ratinho parecendo um bobalhão retardado.

Como se nao bastasse o massacre, *todas* as suas expressoes mexicanas (como o andale-andale-andale, ou o arriba-arriba-arriba) eram substituídas por um estúpido "oba-oba-oba!".

Eu detestava o personagem, achava-o bobo demais... Ate o dia que tive o prazer de ouvir a "voz original" do personagem, em ingles, e me apaixonei. Descobri que era a pessima dublagem brasileira que estragava com o personagem.

A partir dessa epoca, passei a fugir das dublagens, e preferir sempre assistir com o audio original.

Copyright@ 2006-2010 - Revista TV Séries. Textos com seus direitos reservados.