Comic Con 2008 - Relatório

Terminou ontem em San Diego o evento conhecido como ComicCon que reuniu 127 mil pessoas no San Diego Convention Center. Apresentando painéis de filmes, séries de TV e quadrinhos, além de também oferecer várias outras atividades relacionadas ao culto dos quadrinhos, da ficção científica e da fantasia.

Criado em 1970 por Shelton Dorf, um fanático por histórias em quadrinhos, o primeiro ComicCon ocorreu no dia 1º de agosto de 1970 reunindo 300 pessoas no salão de eventos do U.S. Grant Hotel. Inicialmente, foi batizado de Golden State Comic Book Convention e tinha como objetivo reunir fãs de quadrinhos e ficção científica para trocar e negociar material, trocar idéias e assistir a palestras de artistas ligados ao universo dos quadrinhos, que também se colocavam disponíveis para responder perguntas. O nome mudou em 1972 para San Diego´s West Coast Comic Convention e, em 1973, recebeu o nome pelo qual é conhecido até hoje, San Diego ComicCon, ou simplesmente, ComicCon.

A fama do evento cresceu chegando em 1998 com um público de 42 mil visitantes. Em 2007, pela primeira vez, os ingressos se esgotaram no dia de abertura, deixando muita gente de fora. Este ano, já estavam esgotados dias antes do ComicCon iniciar. A presença de grandes estúdios que utilizam o evento para o lançamento de filmes e séries, bem como novas temporadas, além da presença dos artistas dessas produções, provocou ao longo dos anos um aumento na freqüência de público que se estendeu ao nível internacional.

O crescimento, apesar de positivo, tem preocupado os organizadores em função da própria organização e administração do espaço. O contrato dos organizadores com o San Diego Conventional Center vai até 2012. Acredita-se que haja a necessidade de uma ampliação do local para acomodar o próximo ComicCon que ocorrerá em 2009. Outras cidades já ofereceram seus espaços para recebê-lo, mas os organizadores preferem manter a tradição de realizá-lo em San Diego. Em 2006, teve início o New York ComicCon, no Jacob K. Javits Convention Center, que nada tem a ver com os organizadores de San Diego, mas segue a mesma linha, com painéis, palestras, feiras, prêmios, etc.

Tendo sido criado por fãs para fãs, o evento se diferencia, e muito, de outros organizados por grandes corporações para atender um público e, principalmente, a mídia. No caso do San Diego ComicCon, o público tem a preferência, a mídia faz parte do público. Não há atendimento diferenciado, como ocorre, por exemplo com o Television Critics Association – TCA, que ocorre duas vezes por ano, janeiro e julho, e reúne a mídia americana e canadense para apresentar as novidades da televisão americana. Sendo organizado para atender a mídia, o evento oferece melhores condições de cobertura. No caso do ComicCon, os fãs estão liberados para filmar, fotografar e conversar com os participantes, tanto quanto a imprensa. Eles se misturam e disputam um espaço. Muito embora, grandes jornais ou empresas possam ter algum privilégio.

As Séries

Embora receba muitas críticas por parte dos participantes mais interessados em quadrinhos (sua origem, afinal), que reclamam da invasão do cinema, da televisão e do vídeo game, o evento ainda é o maior e mais importante na área de quadrinhos nos EUA.

De fato, a presença dos grandes estúdios promoveu um aumento na “audiência” do ComicCon e em sua importância, transformando-o em vitrine de propaganda de séries e filmes. O evento ganhou maiores proporções para a indústria televisiva em 2004, com a exibição do episódio piloto de uma nova série chamada “Lost”. Desde então, a produção se fez presente nos painéis, atraindo um maior número de fãs de séries. Em conseqüência disso, outros canais intensificaram sua presença para apresentar e divulgar suas séries de TV.

Este ano, pela primeira vez, as séries de TV ocuparam o maior salão do Centro de Convenções de San Diego, o Hall H, até agora destinado a painéis de filmes e quadrinhos. Apesar da fama de “Lost”, foi “Heroes” que reuniu o maior público deste ano, com 6.500 fãs na apresentação de seu painel. Tim Kring, criador da série, retribuiu o carinho e o interesse dos fãs exibindo, na íntegra, o primeiro episódio da terceira temporada, que só irá ao ar na TV americana no início da próxima temporada. Normalmente são exibidos pilotos de séries que ainda não estrearam, para que, assim, conquiste o interesse do público que fará a propaganda “boca-a-boca” (mais eficaz que qualquer campanha caríssima de marketing) e garantir uma audiência em sua estréia na TV.

As séries que se fizeram presentes este ano no ComicCon foram, além das já mencionadas “Lost” e “Heroes”: “24 Horas”, “Fringe”, “Dollhouse”, “Chuck”, “Pushing Daisies”, “Battlestar Galáctica”, “Knight Rider”, “The Office”, “The Big Bang Theory”, “Prison Break”, “Supernatural”, “Ghost Whisperer”, “Dexter”, “Bones”, “Kings”, “Middleman”, “Stargate”, “True Blood”, “Terminator: The Sarah Connor Chronicles”, “O Super-Herói Americano/The Greatest American Hero”, “Legend of the Seeker”, “Buffy, a Caça-Vampiros”, “Kyle XY”, “Eureka”, “The Sarah Silverman Program”, “It´s Always Sunny in Philadelphia”, as inglesas “Dr. Who”, “Torchwood”, “Spaced”, “Primeval”, uma homanagem a Gene Roddenberry sob o nome de “The Gene Roddenberry Legacy: Roddenberry in the 21st Century”, painéis com autores de séries animadas e ainda a presença de Noel Neill, a Lois Lane na série dos anos 50 “As Aventuras do Superman”, que comemorou no evento o aniversário de 60 anos em que interpretou pela primeira vez a personagem.

Vamos dar uma olhada no que resultou alguns dos painéis de séries.

Atenção! A partir daqui, só tem Spoilers!!

As informações abaixo têm como base diversas publicações americanas, bem como comentários em blogs de pessoas que participaram. Seguirei a ordem dos painéis para não correr o risco de esquecer alguma, mas, caso eu esqueça, é só avisar que incluirei, a não ser que nada tenha sido divulgado:

Fringe – A nova série de J. J. Abrams, que teve seu piloto vazado na Internet, teve uma recepção morna. Apontada como cópia de “Arquivo X”, a reação à exibição do episódio piloto não foi das melhores. A maioria das críticas publicadas na mídia ou em blogs reclamavam do excesso de clichés. No painel, J. J. Abrams comentou que algumas cenas do piloto serão refeitas. A Fox preparou uma fraca campanha de marketing que incluiu a distribuição de brindes com o logo da série. Mas o que causou reação negativa foi o fato dela ter montado em um espaço do estacionamento um curral com vacas, animal que aparece no episódio piloto.


Knight Rider – Este é o remake da série “A Supermáquina” produzida nos anos 80 com David Hasselhoff. A NBC preparou um evento de marketing apresentando o novo carro KITT ao público. Durante o evento foi exibido o trailer da série. Particularmente, não vejo motivos para refilmar esta produção e pela reação do público presente e da mídia, eles também não.


Kings – Com a presença de Michael Green, Francis Lawrence, Erwin Stoff, Sebastian Stan, Susanna Thompson e Allison Miller na mesa, o painel serviu para introduzir ao público esta nova série que tem como base a história bíblica de Davi, já comentada neste blog. O ator Ian McShane que interpreta o rei não pode estar presente porque ficou preso no trânsito. Mandou uma mensagem via celular pedindo desculpas. Foram exibidos os primeiros 20 minutos do filme piloto que estréia em fevereiro de 2009.


Doctor Who – Com as presenças dos roteiristas Steven Moffat e Julie Gardner, o painel apresentou um trailer com as melhores cenas de episódios escritos por ele. Apesar da presença dos fãs que perguntavam o que a 5ª Temporada irá trazer, os dois recusaram-se, de forma bem humorada, a adiantar qualquer informação.

Torchwood – O painel foi basicamente um bate-papo entre os fãs e o ator John Borrowman, que interpreta Jack, um bissexual que vem do futuro. Esta característica do personagem foi a mais comentada e discutida. O ator respondeu a perguntas sobre sua vida pessoal e comentou que adoraria interpretar o Capitão América no cinema, caso seja convidado pela Marvel, por ser seu herói favorito. Ele e a atriz Naoko Mori, que estiveram no musical “Miss Saigon” na Inglaterra, deram uma palhinha para o público interpretando uma das canções”.

O Super-Herói Americano – A série produzida nos anos 80, sobre um professor que recebe de alienígenas uma roupa de super-herói, mas perde seu manual de instruções, esteve presente no Comic Com para anunciar seu retorno. Não na televisão, mas nas histórias em quadrinhos. No painel estavam William Katt, Connie Sellecca e Robert Culp, um ícone da TV americana, que foi ovacionado pelo público presente. William Katt, que estará em participação na terceira temporada de “Heroes”, criou sua própria editora de quadrinhos, a Catastrophic Comics, com a qual pretende lançar seis edições do “Super-Herói Americano”. As três primeiras edições irão recontar a origem do herói. As demais deverão dar continuidade à série do ponto em que ela parou. O lançamento deve ocorrer no final deste ano. Também está sendo planejada a produção de curtas animados para ser disponibilizada na Internet e no celular. Escrito por William Katt, Sean O´Reilly e Christopher Folino, deverá ser criado um vilão recorrente. Estas produções tem o apoio de Stephen J. Cannell, criador da série.


The Middleman – Esta é uma nova série que estreou pela ABC Family, mas que não tem conseguido alcançar uma boa audiência. O painel contou com a presença de seu criador, Javier Grillo-Marxuach, que revelou a trama do último episódio da primeira temporada: os personagens encontrarão seus duplos em um universo paralelo nos quais eles terão uma personalidade inversa. Foi exibido um clip do episódio que irá ao ar no dia 11 de agosto, com a participação do ator Kevin Sorbo, de “Hercules”. Também fizeram o anúncio do lançamento da série em DVD, com 12 episódios, comentários, e cenas de bastidores. Um representante do canal informou que a decisão de renovar a série para uma segunda temporada ainda não foi tomada, mas que será levada em consideração a venda do DVD e o número de downloads que a série tem conquistado.

Legend of the Seeker – A nova série de Sam Raimi utilizou o ComicCon para divulgar sua produção, a mudança de título e os nomes dos atores, já divulgados neste blog. Apesar da fama de Raimi e do sucesso dos livros de onde a série se originou, o painel não provocou grandes reações à estréia da série. Também não apresentou o trailer que foi disponibilizado na Internet. A primeira temporada da série que tem 22 episódios encomendados cobrirá os eventos do primeiro livro. Se renovada, a segunda cobrirá a do segundo livro e assim por diante. São ao todo sete livros.

True Blood – Com estréia prevista para o dia 7 de agosto pela HBO americana, a nova produção de Alan Ball, criador de “A Sete Palmos/Six Feet Under”, não teve boa receptividade via Internet quando seu piloto vazou para download. Com base nos livros de Charlaine Harris, apresenta a Terra povoada por vampiros que dividem o espaço com os humanos. Estrelada por Anna Paquin, que estava no painel juntamente com Ball e Harris, a série teve a apresentação de um trailer. Ao contrário da reação daqueles que fizeram o download do piloto, a série foi muito bem recebida pelo público que se fez presente no painel, isso porque era formado, basicamente, por fãs do livro.

Dexter A terceira temporada da série estréia no dia 28 de setembro. O painel foi super concorrido, lotando o espaço e deixando muita gente de fora. Estiveram presentes os atores Michael C. Hall e Julie Benz, e os roteiristas Clyde Phillips e Melissa Rosenberg. Foi exibido o trailer da terceira temporada que introduz o personagem de Jimmy Smitts, o promotor Miguel Prado, que se tornará, de certa forma, um amigo para Dexter. A terceira temporada focará na evolução de Dexter, que deixará o código de Harry de lado e passará a utilizar seu próprio código moral. Lundy (Keith Carradine) não irá retornar à trama. A roteirista Rosenberg declarou ter ficado satisfeita com as edições que a CBS fez nos episódios da série quando exibida em canal aberto, pois isto possibilitou conquistar um novo público. Os roteiristas também afirmaram que a série deverá terminar quando Dexter começar a sentir remorsos por seus atos.


The Big Bang Theory – Com a presença de todo o elenco, o painel da série serviu, basicamente, para responder perguntas do público sobre a carreira e a vida pessoal de cada um. Com relação à produção, Chuck Lorre, co-criador da série, comentou que a personagem de Sarah Gilbert, Leslie, deverá retornar em novos episódios da segunda temporada.

Stargate Atlantis – Com a presença de Jon Flanigan (Capitão John Shephard) e Robert Picardo (Richard Woolsey), o painel da série contou apenas com curiosidades de bastidores.

Spaced & Primeval – A sitcom britânica Spaced que fez muito sucesso na Inglaterra esteve presente no painel para responder curiosidades e divulgar o lançamento da série em DVD nos EUA. Também foram comentadas as brigas de bastidores entre os criadores e a versão americana que não aceitou a participação deles no processo criativo, e foi cancelada. A série fez parte do painel da BBC América, juntamente com Dr. Who, Torchwood e Primeval, que contou com a presença dos atores Douglas Henshall, Juliet Aubrey e Karl Theobald e respondeu perguntas relacionadas a curiosidades de produção.

Bones – O painel contou com as presences dos produtores Hart Hanson e Barry e dos atores David Boreanaz, Michaela Conlin, Tamara Taylor e Jon Francis Daley. Foi exibido meia hora do primeiro episódio da quarta temporada da série. O ator Eric Millegan irá retornar em mais episódios interpretando o assassino Zack Addy, que deverá ser preso desta vez. Cam (Taylor) e Sweets (Daley) terão um romance, mas não foi explicado se com terceiros ou entre eles. O misterioso marido de Ângela irá aparecer. Camille se envolverá com alguém com quem Ângela já dormiu e Booth e Brennan irão para a cama juntos; e a família de Booth irá aparecer em alguns episódios. Os produtores revelaram que o final da última temporada não terminou como eles gostariam, em função da greve dos roteiristas. A idéia era terminar com Booth levando um tiro. O primeiro episódio da próxima temporada tem duas horas de duração e foi filmado em Londres.


24 Horas – Com mais de um ano fora do ar, a série retorna em sua sétima temporada e com um filme que precede seus acontecimentos. O painel serviu para reentroduzir a série aos fãs, agradecer sua lealdade e responder a curiosidades de produção. Na mesa estavam os produtores, Howard Gordon, Jon Cassar, os roteiristas Manny Coto, Carlos Coto, David Fury e Brennan Braga, e os atores Kiefer Sutherland, participando pela primeira vez de uma Comic Com, e Carlos Bernard, que retorna ao elenco como Tony Almeida. Foi exibido o trailer do filme “24:Exile”, já divulgado aqui, cujo principal conflito será em torno de crianças que se tornam soldados. A idéia inicial era produzir um filme de 7 a 10 minutos de duração para preceder a sétima temporada, mas a emissora optou por um filme de duas horas de duração. Não é mais novidade que Tony Almeida não morreu, mas a explicação de seu retorno somente será vista quando a temporada iniciar. Segundo os produtores, a nova temporada irá lidar com um nível mais intenso de tortura, jamais visto na série. Respondendo à famosa a pergunta, Kiefer disse que Jack vai ao banheiro quando ele não está em cena. Certa vez foi filmada uma cena neste sentido, mas foi cortada na edição final. Sobre um possível filme para o cinema, Sutherland e os produtores reafirmaram que somente será produzido, se produzido, quando a série terminar, algo que ainda não está previsto.

Prison Break – Com a presença anunciada dos atores Dominic Purcell, Sarah Wayne Callies e Wentworth Miller, o painel iniciou com a exibição dos dez primeiros minutos do primeiro episódio da quarta temporada. Wentworth Miller não compareceu. Com o sucesso da série, o ator britânico tornou-se recluso, não aparecendo em eventos ou entrevistas. Quando divulgada sua presença, muitos fizeram questão de participar do painel. Mas tão logo disseram que ele não viria por estar filmando em outro lugar, várias pessoas sentiram-se enganadas e saíram do recinto. A próxima temporada inicia com Michael perseguindo Whistler em Los Angeles. Em uma festa, Gretchen confessa a Michael que Sarah não morreu que tudo não passou de uma armação. Será uma premiere com duas horas de duração as quais irão focar na busca de Michael e Linc por Sarah. Não deverá ocorrer histórias relacionadas à prisão, os dois não estarão sendo perseguidos. Eles é que se tornarão perseguidores.


Eureka – Com a presença dos atores e produtores, foi revelada algumas informações sobre a terceira temporada da série, que trará novos personagens: Eva Thorne (Francês Fisher) conhecida como “The Fixer”, tentará descobrir o que está acontecendo em Eureka e iniciará um novo arco na história. A outra personagem será Lexxie, irmã de Jack, que irá virar o mundo dele de pernas para o ar, tornando-se amiga de todos muito mais rápido que ele. A filha de Jack, Zoe, irá trabalhar no Café Diem. Carter e Allison terão uma cena em que estarão nus, mas nada mais foi revelado. Mais informações sobre o pai biológico de Kevin será revelada; bem como mais informações sobre o passado do Xerife Lupo. Beverly não irá retornar nesta temporada, mas o personagem Jim Taggart aparecerá em vários episódios a partir da segunda metade da próxima temporada. Fargo e Henry encontrarão romance em suas vidas. A Internet será mais utilizada para agregar informações sobre a série. Sara passará a dar informações sobre a casa de Jack, respondendo a perguntas. Será lançado o "Eureka Unscripted Site", que dará informações sobre como os roteiristas preparam seus textos. Também um podcast será lançado dois dias após a exibição de cada episódio.

Heroes – Presentes os atores Masi Oka (Hiro), Hayden Panettiere (Claire), Adrian Pasdar (Nathan), Milo Ventimiglia (Peter), Greg Grunberg (Matt), Ali Larter (Niki), Sendhil Ramamurthy (Suresh), Zachary Quinto (Sylar), James Kyson Lee (Ando), Jack Coleman (HRG), Dania Ramirez (Maya), o criador Tim Kring, o artista Tim Sale, responsável pelos quadros, e o produtor Jeph Loeb. O painel iniciou com a exibição do primeiro episódio da terceira temporada, que estréia nos EUA no dia 22 de setembro. Nele é apresentado os fatos que ocorrem logo após o final da segunda temporada em que Nathan sofre um atentado, provocado por seu irmão Peter, que veio do futuro. Após sua quase morte, Nathan se volta para Deus e se torna evangélico (a Record vai gostar desta parte!) e conhece um político que irá ajudá-lo, interpretado por Bruce Boxleitner, de “Babylon 5”. Mohinder irá adquirir super-poderes e Noah está em uma prisão. Foi divulgado que a segunda temporada da série em DVD terá a inclusão de episódios inéditos. A exibição do episódio tomou quase todo o tempo disponível para o painel de “Heroes” e poucas perguntas foram respondidas.


Terminator: The Sarah Connor Chronicles – Moderado pelo criador da série, Josh Friedman, e com as participações dos atores, o painel iniciou com a exibição do trailer da próxima temporada. Cam (Summer Glau) sobreviveu à explosão do caminhão que encerrou a primeira temporada. O personagem de John Connor deverá amadurecer, começando a surgir aqui o homem que irá liderar uma revolução no futuro. Foi revelado que um dos personagens irá morrer, algo que, parece, nem os atores estavam sabendo.


Lost – Com as presenças dos produtores Damon Lindelof e Carlton Cuse, o painel iniciou com a divulgação do DVD da quarta temporada. Apresentando um “representante” da iniciativa Dharma, o painel continuou com a distribuição de brindes a quem fazia perguntas. Em dado momento, uma pessoa perguntou se este ano faria o que fizeram ano passado, que foi o de trazer como convidado surpresa um dos atores do elenco. Algo que eles negaram que seria feito. Após mais algumas perguntas, os produtores começaram a discutir se o boneco do Jack era parecido com o ator ou não. A pessoa que iria receber de brinde ficou insistindo que não se importava. Até que o ator Matthew Fox entrou no palco, altografou a caixa do boneco e entregou pessoalmente ao rapaz que ainda recebeu um abraço do ator. Fox sentou-se à mesa do Painel e ficou até o final. A estrutura narrativa da série sofrerá uma mudança. Inicialmente focada nos flashbacks, a partir da quarta temporada passou a trabalhar os flashfowards e flashbacks. Com a quinta temporada, o público vai ficar sem saber em que época ou momento do tempo os personagens estão. Jin, Locke e Faraday estarão de volta. A história de Rousseau será apresentada, mas não em flashbacks, tornando-se importante para a trama neste momento. Kate voltará a encontrar Sawyer e o público voltará a ver Vincent (o cão). Uma série de fatos relacionados ao livro do Capitão Gault serão apresentados. No final da quarta temporada, quando Ben tentou mover a ilha, ela não se moveu de fato. A quinta temporada que deverá iniciar as filmagens em 18 de agosto terá 17 episódios e, a sexta terá mais 17 episódios. A série continuará a produzir webisodes, mobisodes e games.

Kyle XY – A produtora Julie Plec respondeu a perguntas dos fãs e garantiu que por hora não haverá spinoff da série. A personagem Jessie, uma espécie de “vilã” ou pelo menos alguém que costuma causar problemas, seria a mais indicada para ter sua própria série, mas o canal ABC Family não tem planos no momento para isso. Poucas informações foram divulgadas sobre este painel.

The Office – Com a presença do ator Rainn Wilson e dos roteiristas a presença da série neste evento é no mínimo, estranha, já que não se trata de ficção científica, fantasia ou ação. Foi discutido como os roteiros são escritos. Também foi mostrado cenas em que os roteiristas tiveram participação na série. Nenhuma informação sobre a próxima temporada ou sobre a spinoff, que não vai mais ser spinoff e sim uma série própria.


Dollhouse – A nova série de Joss Whedon está com seu piloto sendo refilmado então não foi apresentado no evento. Apenas um trailer e um press release do que se trata a série já comentada aqui no Blog. O público era basicamente de fãs de Whedon, que explicou que a série vai estrear no ano que vem. Muito embora não haja nenhum sinal de que será cancelada antes de sua estréia, o fato do piloto estar sendo refilmado e a última produção de Whedon, “Firefly”, ter sido cancelada, fez com que surgissem na Internet uma campanha para salvar “Dollhouse” do cancelamento. Whedon declarou que está agradecido pelo carinho dos fãs, mas a campanha o assusta pois dá a impressão para as pessoas de que o produto não é bom.


Battlestar Galactica – Com as presenças dos atores Jamie Bamber, Michael Trucco, Katee Sackhoff, James Callis, Tricia Helfer, do criador Ron Moore e do produtor David Eick, o painel foi moderado pelo cineasta Kevin Smith. Um vídeo clip foi apresentado com resumo das histórias passadas e com cenas do que está por vir, como Adama e Roslyn juntos. A Terra que eles encontram foi devastada por um ataque nuclear. Poucas informações foram passadas ao público. Uma delas foi que o sexto cilônio será alguém que já apareceu na história e não um ator ou atriz convidado(a). Perguntada se Starbuck seria a sexta cilônia, Kate Sackhoff não confirmou ou negou. A série finaliza sua produção com a quarta temporada que termina sua exibição no ano que vem. “Caprica”, que precede a história de Galáctica, ainda está no filme piloto, sua audiência deverá definir a produção de uma série.


Pushing Daisies – Com a presença dos atores e do criador Bryan Fuller, o moderador do painel foi Barry Sonnenfeld. Durante a seção de perguntas e respostas, Kristin Chenoweth interpretou a canção “Somewhere Over the Rainbow”. Cantora de musicais da Broadway, a atriz foi indicada ao Emmy de Melhor Atriz Coadjuvante em Comédia deste ano. Foi apresentado um preview da segunda temporada, com dois minutos de duração. A próxima temporada irá lidar com os problemas de Ned e seu pai, bem como com os problemas relacionados ao pai de Chuck. Um personagem, Dwight Dixon, será introduzido no quinto episódio. Ele será o elo de ligação na história dos dois pais. Chuck vai se mudar do apartamento de Ned, suas tias começarão a freqüentar a Pie-Hole, Olive vai passar um tempo no convento, a mãe de Emerson vai aparecer e será interpretada por uma atriz da Broadway, e a história será desenvolvido de forma a apresentar situações que somente serão exploradas em uma terceira, possível, temporada.


Chuck – Com a presença do elenco e dos criadores Josh Schwartz e Chris Fedak, algumas informações sobre a segunda temporada foram revelados. A próxima temporada irá focar mais na relação de Chuck e Sarah, além da cobertura que eles criaram de namorados. Mais informações sobre a trama serão reveladas, como os motivos pelos quais Chuck se envolveu nesta história. Alguns dos atores convidados da próxima temporada incluem, Melinda Clarke, Jordana Brewster, Michael Clarke Duncan e Tony Hale. Ellie e Awesome farão planos de casamento. O esquadrão do Best Buy vai se tornar fixo. A série estréia no dia 29 de setembro.


Smallville – Moderado por Jeph Loeb teve a presença dos atores Allison Mack, Justin Hartley, Sam Witwer, Cassidy Freeman e dos produtores Kelly Souders, Brian Peterson, Todd Slavkin e Darren Swimmer. Chloe utilizará seus poderes no início da nova temporada e irá aperfeiçoa-los ao longo dos episódios. Ela manterá seu relacionamento com Jimmy e se afastará de Clark. Este deverá ter algum envolvimento com Tess. A história de Doomsday dos quadrinhos será preservada e a origem do Arqueiro Verde será revelada. Uma spinoff está planejada para focar um dos heróis apresentados na série. A nova temporada terá 22 episódios.


It´s Always Sunny in Philadelphia – Damon Lindelof, co-autor de “Lost”, foi o moderador do painel que iniciou com a exibição do primeiro episódio da quarta temporada, que tem o título de “Mac and Dennis: Manhunters”. A história faz referências a “Indiana Jones”, “Tubarão” e outros. Com as presenças dos atores Rob McElhenney (Mac), Glenn Howerton (Dennis) e Charlie Day (Charlie), autores da série, o painel respondeu a perguntas dos fãs sobre como a série foi criada e curiosidades de produção. Kaitlin Olson não estava presente porque ela teve um acidende e machucou as costas, precisando ficar em repouso. De novidade, haverá um episódio em flashback que levará os personagens para o ano de 1776, durante a guerra da revolução. No final do painel, Charlie Day cantou a música de seu personagem “Night Man”.

The Sarah Silverman Program – Moderado por Patton Oswalt, o elenco da série esteve presente no painel respondendo a perguntas sobre os personagens, a produção e sobre os próprios atores. Em meio a muitos palavrões, insinuações de sexo e um discurso sobre maconha, o painel não revelou nenhuma informação sobre a produção, muito embora não haja de fato o que revelar. Outro painel que não faz sentido nenhum ter existido neste tipo de evento.

Supernatural – Com a presença dos atores Jensen Ackles e Jared Padalecki, do criador da série, Eric Kripke, e dos produtores Sera Gamble, Ben Edlund e Peter Johnson, o painel teve início com a exibição dos cinco minutos do primeiro episódio da nova temporada. Entre as informações passadas para o público, qualquer personagem poderá retornar na próxima temporada, Sam irá desenvolver seus poderes e poderá ter uma namorada. O pai de Mary Winchester irá aparecer e será interpretado por Mitch Pileggi, o Skinner de “Arquivo X”. Existem planos para uma spinoff, mas nada definitivo ainda. A estréia está prevista para o dia 11 de setembro.


Comentários

Davi Garcia disse…
Uau isso sim que é um belíssimo relatório :)

Parabéns pelo ótimo trabalho Fernanda.
Fernanda Furquim disse…
oi Davi, muito obrigada!!! : )
Glauco disse…
Oi Fernanda. Knight Rider não eh um remake. Bem pelo contrario, eh uma continuacao direta de Knight Rider (anos 80), inclusive com a presenca do David Hasselhoff no episodio piloto, onde o protagonista eh filho de Michael Knight
Anônimo disse…
Ficou mto bom seu relatório xD

Colocou tudinho mesmo sobre os painéis de TV!

ótimo trabalho!

Abraços

Boa Semana
Fernanda Furquim disse…
oi Arthur, obrigada!!!

Glauco, realmente, agora é chamado de continuação. Colocaram o David fazendo ponta e o personagem da série virou o filho dele. Mas o projeto foi inicialmente concebido como remake. Para angariar o público da série clássica, incluíram o David, que não estava inicialmente no projeto. Pelo que sei, ele fez ponta no final do filme em uma cena que poderia perfeitamente ser tirada, pois não faz parte da trama. Foi incluída. Sua presença é o mote inicial do personagem: ser filho de Michael Knight. A presença de David na série não é certa, pois a trama deve seguir seu próprio caminho, independente do personagem dele. Bom, tudo isso para dizer que apesar de ser apresentado ao público como uma continuação, a concepção é de remake.
Anônimo disse…
Também tenho que dar os parabéns pelo excelente relatório!
Só uma pequena correção (SPOILER): quando vc fala de Lost, diz que no final da quarta temporada Desmond moveu uma chave na escotilha e a ilha moveu. Na verdade, Desmond moveu essa chave no final da segunda temporada e no final da quarta, foi Ben girando uma roda que fez com que a ilha aparentemente se movesse.
Fernanda Furquim disse…
oi Rafa!! Obrigda!! Já tá arrumado!
Glauco disse…
Oi Fê! No piloto do novo Knight Rider há outras referências a série antiga, como o antigo KITT desmontado no laboratório do criador do novo KITT, inclusive mostrando em detalhes o classico volante e a classica placa KNIGHT, a presença do David, como já disse, falando que é pai do novo protagonista, a mãe dele, que é peça chave no piloto, perguntando se o novo KITT também é um Trans AM (o modelo do carro da série original), além de referenciar o próprio Michael Knight (David) para explicar ao filho o porquê do pai tê-lo abandonado e dela conhecer o antigo KITT e o criador do mesmo.

Ah, a cena com o David também foi decisiva pra narrativa, visto que foi nesse momento em que o protagonista internamente decidiu aceitar conduzir o novo KITT devido as palavras proferidas pelo pai.

Ufa! Mesmo assim seria um remake? ehehehehe. Valeu!
Fernanda Furquim disse…
oi Glauco, muito obrigada pelas informações!!! Valeu!!

Sorry, mas, sinceramente, ainda acho que é remake. As referências que você mencionou, estão no filme piloto, e não interferem na continuação da história. Elas foram introduzidas para fazer um link com a série clássica.

Já a série, pelo que tem sido divulgado vai desenvolver sua própria situação. Pode até ser que, para levantar a audiência, caso seja necessário, resgatem o David e sua história, já introduzida no piloto, este sim uma continuação.

Mas, a princípio, será a luta do rapaz contra o crime utilizando o carro Kitt que "fala", ou seja, um remake.

Nos EUA, a série está sendo chamada de spinoff: série com base em outra série...talvez este seja o termo mais correto que remake ou continuação.
Glauco disse…
Concordo Fernanda! Não podemos esquecer da finada TKR (Team Knight Rider)
Anônimo disse…
Post excelente.
Faço apenas uma observação:
o ator Ian McShane fará o papel de um rei (provavelmente inspirado na figura do rei Saul). O papel de Davi ficará com o Christopher Egan, não é?
Considerando que o Ian McShane está quase na casa dos 70!
Fernanda Furquim disse…
É verdade Saulo! "Troquei as bolas", Obrigada!
Anônimo disse…
nós é que agradecemos pelo post!
SENSACIONAL.
Anônimo disse…
a ausência do wentworth é uma jogada, assim o 'reencontro' com a Sara fica só para o dia a season premiere...

se ele aparecesse, talvez perdesse um pouco da graça.
audiebronson disse…
muito bom esta materia sobre o comic con,voce poderia fazer comentarios sobre outras convençoes em que apareçam atores de series dos anos 60,70.Uma pergunta não houve um painel com os atores da serie a poderosa isis dos anos 70
Fernanda Furquim disse…
oi José! Obrigada! Que eu saiba, o único painel de série antiga foi O Super-Herói Americano. Mas, no ambiente da feirinha, onde os atores ficam autografando fotos, estiveram presentes vários atores de séries antigas, como Lindsay Wagner e Erik Estrada. É possível que alguém de Isis estivesse presente. Não saberia informar, já que esta área não foi coberta pela imprensa e eu não consegui ir este ano.

Tentarei divulgar outros eventos, obrigada pela sugestão.

Postagens mais visitadas deste blog

Monk dá Adeus ao Público (com adendo)

Sharona Reencontra Monk

The Heavy Water War, Minissérie Norueguesa Retrata Missão Histórica na 2ª Guerra Mundial