domingo, 20 de setembro de 2009

Hoje Tem Emmy 2009: Comentários Sobre os Indicados

A cerimônia de entrega das principais categorias do prêmio Emmy será realizada esta noite em Los Angeles. Na semana passada ocorreu a entrega dos prêmios que chamamos por aqui de técnicos (nos EUA é chamado de Creative Arts), no qual inclue-se atores convidados. A divisão se torna necessária devido ao grande número de categorias, o tempo limitado para a entrega do prêmio e o interesse em tornar a cerimônia mais ágil para segurar a audiência.

No Brasil o canal E! apresenta o pré-show às 17h. O canal Sony exibirá a chegada dos artistas no tapete vermelho a partir das 19h e a cerimônia começa às 21h. Serão premiadas 28 categorias e segundo a imprensa americana a ordem de entrega dos prêmios será a seguinte:

01. Atriz Coadjuvante em Séries Cômicas
02. Roteirista de Série Cômica
03. Ator Coadjuvante em Séries Cômicas
04. Atriz de Série Cômica
05. Diretor de Série Cômica
06. Ator de Série Cômica
07. Apresentador de Reality Show
08. Programa de Reality Show
09. Atriz Coadjuvante em Telefilme ou Minissérie
10. Ator Coadjuvante em Telefilme ou Minissérie
11. Ator em Telefilme ou Minissérie
12. Roteiro de Telefilme ou Minissérie
13. Diretor de Telefilme ou Minissérie
14. Atriz de Telefilme ou Minissérie
15. Telefilme
16. Minissérie
17. Diretor de Programa de Variedades
18. Roteirista de Programa de Variedades
19. Composição Original (música e letra)
20. Programa de Variedades
21. Ator Coadjuvante de Séries Dramáticas
22. Atriz Coadjuvante de Séries Dramáticas
23. Diretor de Série Dramática
24. Roteirista de Séries Dramática
25. Atriz de Série Dramática
26. Ator de Série Dramática
27. Série Cômica
28. Série Dramática

O apresentador da cerimônia é Neil Patrick Harris (fotos), de "How I Met Your Mother", que deverá apresentar um número musical adaptado do curta-metragem "Dr. Horrible", dirigido por Joss Whedon e estrelado pelo ator. O curta foi um dos ganhadores dos prêmios técnicos, na categoria programa de curta-metragem não animado.

A cada ano que se divulga uma lista de indicados ao prêmio surgem as apostas, as previsões, as críticas e as expectativas. Este ano não será diferente, muito embora a imprensa revele o temor dos organizadores de que a cerimônia possa, novamente, atrair um número baixo de telespectadores.

Isto porque nos últimos anos o público americano vem perdendo o interesse em acompanhar a cerimônia visto que séries populares não têm aparecido na lista de indicados. Tentando mudar este quadro, a Academia ampliou o número de indicados nas principais categorias, de cinco para sete. Embora tenham divulgado que o motivo da mudança tenha sido para evitar empates.

Outra ação proposta pela Academia foi a de criar um voto popular para eleger a melhor performance do ano, como podem conferir nesta matéria. No entanto, a categoria não é importante e foi criada apenas para dar a impressão ao público de que ele tem algum poder de decisão.

O fato é que, se "Mad Men" e "30 Rock", os favoritos ao prêmio de melhor série dramática e cômica, levarem novamente os principais prêmios, a Academia poderá ter um sério problema nas mãos. No ano passado, quando as séries saíram vencedoras, a cerimônia registrou o mais baixo índice de audiência dos últimos anos, com uma média de 12 milhões de telespectadores. Para quem gosta de séries, acompanhar a cerimônia não é problema, mas para os canais que são obrigados a exibí-la, o resultado é desastroso.

A dificuldade de atrair público não se restringe ao fato de que séries desconhecidas da grande maioria sejam favoritas ou vencedoras, também reside no fato de que há muitos anos a cerimônia deixou de ser um espetáculo, tornando-se a leitura de indicados, seguida da entrega do prêmio, que é acompanhada por um discurso. Ao longo dos anos foram sendo eliminados, ou diminuíram, números musicais, esquetes cômicas, clipes homenagens, entre outras alternativas de entretenimento que compunham o espetáculo. Tudo isso em função dos canais que consideravam a cerimônia longa demais. Como resultado, o evento se tornou "seco", com poucas alternativas.

Uma alternativa seria introduzir apresentadores variados para o evento, equilibrando o interesse do público que acompanha. Mas nem isso é feito, pois os apresentadores, em sua maioria, são os que concorrem. Em sua minoria são aqueles que fazem sucesso junto ao grande público, que muda de canal depois que a pessoa sai do palco, visto não estarem concorrendo.

Confira a lista de indicados às categorias de séries e minisséries
Veja por qual episódio séries e atores concorrem


Mas este ano, com o número maior de indicados, séries como "Lost" e "House", populares entre o público, enfrentam produções como "Mad Men", "Damages", "Breaking Bad", "Dexter" e "Big Love", produções da TV a cabo e portanto, menos conhecidas da grande massa.

Se dependesse do público, "House" levaria o prêmio, visto ser a mais popular da lista, apesar de "Lost" ter maior burburinho na mídia e na Internet. Se depender dos críticos o prêmio vai para "Mad Men", a vencedora do ano passado. Apesar da ausência muito sentida de "The Shield", se dependesse de mim, "Mad Men" levava o prêmio, por ser a produção que melhor desenvolve sua proposta. Mas acredito que o prêmio esteja entre "Mad Men" e "Breaking Bad", duas produções do mesmo canal a cabo, AMC. De qualquer forma, qualquer uma das duas trará à Academia problemas de público para resolver no ano que vem.

Na categoria de séries cômicas, os críticos dariam o prêmio a "30 Rock"; o grande público deve se dividir entre "How I Met Your Mother" e "Uma Família da Pesada", desenho animado que entrou na lista de indicados, rompendo um jejum de 47 anos. Em 1961, "Os Flintstones" foi o primeiro e único desenho a concorrer nesta categoria até então. Perdeu para o programa humorístico "The Jack Benny Show".

Se dependesse de mim o prêmio iria para "30 Rock" ou "The Office". Mas segundo as previsões, a primeira leva novamente o prêmio, o que repetiria a dobradinha do ano passado...causando mais pânico aos organizadores do evento. Mesmo sendo exibida em TV aberta, a série não tem um público grande, gira em torno de 5 milhões de telespectadores. A média aceitável para uma produção de sucesso é de 10 milhões. As tentativas de elevar a audiência trazendo como convidados celebridades conhecidas da massa não conseguiram o resultado esperado, embora os números tenham aumentado. Isto porque o texto não trabalha um estilo de humor popular.

Na categoria de atores, acredito que o prêmio seja disputado por Bryan Cranston, de "Breaking Bad", que concorre pelo episódio no qual nasce a filha de seu personagem, Walt, o qual precisa dividir seu tempo entre o hospital e a situação tensa em que vive, relacionado às drogas. Situação que membros da Academia adoram, pois equilibra momentos de ternura e emoção com racionalidade.

O outro que deve ser seriamente considerado é David Byrne, que concorre com um episódio de "In Treatment" no qual seu personagem visita o pai em coma. Sua relação com ele não é das melhores, e a cena mostra Paul conversando com pai, que não pode ouvir ou responder. Durante a conversa Paul perdoa o pai por seus erros e comenta sobre seus problemas pessoais. Em paralelo a isso, o personagem sofre a tensão de um processo relacionado à morte de Alex. Portando, são dois atores que oferecem trabalhos relacionados: ternura/emoção x tensão racional. O que pode decidir a disputa é o tempo de duração entre as duas séries. A primeira tem 45 minutos e a segunda tem 30 minutos. Parece absurdo, mas o tempo de exposição à situação proposta, conta, especialmente no momento de decidir entre um e outro.

Hugh Laurie concorre pelo episódio em que House tenta livrar-se das alucinações que tem com Amber, e acaba injetando em si mesmo uma alta dose de nicodin. Em paralelo, precisa estar lúcido para resolver mais um caso. Portando é uma situação parecida com a dos dois primeiros, o que torna o ator o coringa da categoria e um alívio para os problemas de audiência da Academia.

Na categoria de melhor atriz em série dramática não existe uma grande disputa, a favorita é de longe Glenn Close, por "Damages", que explora com sua personagem, Patty Hewes, o conflito interno de ter seu lado racional sufocando seu lado emocional, sem melodramas ou discursos de explicações ou justificativas. Ela concorre pelo episódio final da 2ª temporada, no qual descobre as verdadeiras intenções de Ellen.


Como melhor ator em série cômica, temos uma disputa acirrada entre Alec Baldwin, que já ganhou nesta categoria por "30 Rock", e Jim Parsons, por "The Big Bang Theory". O primeiro concorre com o episóio "Generalíssimo", no qual tem a oportunidade de interpretar dois personagens, Jack e um personagem de novela. Duplas personalidades ou dois personagens (do tipo gêmeos , um bom e um ruim), costumam ser pratos cheios para os atores, tanto na comédia quanto no drama.

Jim Parsons parece ter maiores chances, visto que ele é a razão pela qual "The Big Bang Theory" ter conseguido conquistar fama tão rapidamente. O ator concorre pelo episódio em que Sheldon tenta encontrar um presente de natal para Penny. Jornalistas americanos ainda apostam na possibilidade de Steve Carrell, de "The Office", e Tony Shalhoub, de "Monk", se tornarem as surpresas da categoria. Alguns acreditam que o persongem de Steve Carrell é considerado "desagradável" pelos membros da Academia, o que justificaria ele não ter ganho o prêmio ainda. Este é o quarto ano que ele concorre. Shalhoub concorre pelo episódio de natal em que Monk tem três sem-teto
como clientes.

Na categoria de Atriz em Séries Cômicas, a disputa está entre Tina Fey, de "30 Rock", e Toni Collette, por "The United States of Tara". Como mencionado antes, personagens de dupla personalidades, ou de irmãos gêmeos, costuma cair nas boas graças dos membros da Academia visto possibilitar a exploração da capacidade de um ator. Collette tem um prato cheio nas mãos: ela interpreta uma persongem que tem quatro personalidades. Mas ela concorre pelo episódio piloto no qual temos apenas uma amostragem de três das quatro personalidades: Buck, T e Tara. Por ser o primeiro, o episódio não explora o conteúdo de cada uma delas, apenas as apresenta.

Já Tina Fey concorre pelo episódio "Reunion", no qual Liz Lemon mostra o tipo de pessoa que ela era quando adolescente: uma garota má. O episódio faz uma referência ao filme "Meninas Malvadas", escrito por Tina Fey com base em sua experiência no colégio. O filme chamou muito a atenção da crítica e este tipo de referência sempre é um adendo ao entendimento de uma história e seu desenrolar. De qualquer forma, Tina tem neste episódio a oportunidade de interpretar duas personalidades opostas, o que leva a questão inicial. Visto ser ela a favorita, o fato dela concorrer "com duas personalidades", a torna um páreo difícil de ser derrubado.

Na categoria de coadjuvantes fica mais difícil de comentar pois não vejo algumas das séries, como é o caso de "How I Met Your Mother" e "Two and a Half Men" ou o programa "Saturday Night Live", que aparecem nas indicações. Mas gosto do trabalho de Rainn Wilson em "The Office", de Kristen Chenoweth, em "Pushing Daisies", e de Elizabeth Perkins em "Weeds".

Na área dramática, acredito que a disputa fique entre Rose Byrne, que também concorre pelo último episódio da 2ª temporada de "Damages", e Diane Wiest, de "In Treatment", que concorre pelo episódio em que sua personagem, Gina explode com Paul (Gabriel Byrne), resultando em uma discussão em que cada um diz o que pensa do outro. Lembrando que a atriz já levou o prêmio no ano passado.

Entre os atores coadjuvantes de séries dramáticas, acredito que a disputa já esteja decidida em favor de Aaron Paul, por "Breaking Bad", pelo episódio "Peekaboo", no qual Jesse enquanto lida com seu vício, é pressionado por Walt para evitar que suas ações ilegais se tornem públicas.

Bom é isso, o resultado sai hoje à noite. Então confira abaixo uma propaganda que está rolando na TV americana:


Nenhum comentário:

Copyright@ 2006-2010 - Revista TV Séries. Textos com seus direitos reservados.