segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Defying Gravity é Cancelada

Podemos dizer que a série foi literalmente para o espaço! A rede ABC cancelou "Defying Gravity" com 8 episódios exibidos faltando apenas 5 dos 13 encomendados.

O cancelamento da série era inevitável visto que a produção não conseguiu conquistar uma audiência aceitável para um canal de grande porte como a ABC. Sua estréia registrou meros 3.83 milhões de telespectadores, sendo que a audiência foi caindo ao longo da exibição das demais histórias, chegando a pouco mais de 2 milhões em seu sétimo episódio.

Situada no ano de 2052, a série apresentava um grupo de oito astronautas provenientes de cinco países diferentes, que tinham uma missão de seis anos para explorar o sistema solar. Tratava-se de uma co-produção entre Estados Unidos (Fox), Canadá (CTV e Space), Inglaterra (BBC) e Alemanha (Omni Film e ProSieben), criada por James Perriott.

"Defying Gravity" também é exibida no Canadá, na Inglaterra e na Alemanha. Ainda não há informações se os 5 episódios restantes serão exibidos por esses países. Fãs americanos já estão se organizando para pedir à ABC que disponibilizem os episódios restantes no site Hulu.com.

6 comentários:

Lu disse...

Que pena! Eu estava acompanhando. Acho que a audiência foi caindo pois eles enrolaram demais com o "mistério" das alucinações.

VR5 disse...

É f***... eu sempre digo: imaginem fazer isso aqui no Brasil, com uma novela de baixa audiência... pelo menos eles deveriam ter uma espécia de "respeito com o telespectador" e criar um final, nem que seja "meia-boca"... me admira ainda que o norte-americano comece a assistir a uma série não sabendo que ela terá pelo menos uma conclusão... será que esses contínuos cancelamentos de séries "fracas" não pode ocasionar um círculo vicioso de desconfiança/baixa audiência/cancelamento?

marcio disse...

Palhacada Palhacada Palhacada...

Como sempre, audiencia de 2 milhoes nao importa, e mais uma serie termina sem pe nem cabeca, sem satisfacao, sem respeito com o publico.

Eu sempre fui um critico ferrenho de novelas mas to comecando a achar que elas sao melhores que estes seriados americanos, ao menos elas tem um final, em respeito a quem acompanha, mas o Americano parece que nem se mexe em relacao a isso, fica sentado a frente da tv e so troca o canal...

Perdi a conta de qtos seriados que assisti nao chegaram ao fim, enquanto isso, lixos como Lost continuam a serem produzidos...

William Bessa disse...

Exatamente!

Daniel disse...

Acredito que se hoje existe grandes filmes nos EUA é graças a esses constantes cancelamentos, enquanto aqui no Brasil não fizerem o mesmo, nunca teremos um grande filme/seriado produzido. O seriado cancelado serviu de uma forma ou de outra aonde não se deve errar, ou então, o que fez tão pouca audiência, ajudou a desenvolver e treinar todos os funcionários envolvidos, atores, roteiristas, produtores, diretores, etc. E é óbvio, se continuassem com o seriado sem a audiência esperada, iriam ter um baita prejuízo, filme e seriado foi feito para dar audiência, se não der audiência, é perfeitamente normal cancelar, desrespeito é continuar com algo que agrade uma minoria, infelizmente no Brasil não há opção, se a emissora mais famosa do Brasil fizer uma novela ruim (que todas são, na minha opinião) eles podem continuar, pois não tem nada a perder, não existe concorrência, 7 canais chega a ser ridículo, onde a maioria passa filme/seriado importado, nos EUA é diferente, se fazem um seriado ruim, se não cancelar vai perder audiência, pois existe uma variedade muito grande de canais, desrespeito é falar que vai liberar a TV digital no país e até hoje (2016) o sinal analógico está no ar. Infelizmente vai demorar muito para algumas pessoas entenderem o motivo de tantos cancelamentos de series e filmes.

HERMES SOARES disse...

Eu particularmente achei a historia fantástica, atores de ótima qualidade. Os efeitos bons. Enfim e uma pena não saber o que vem depois. Se eu pudesse falar com o autor pediria a ele pelo menos que ele publicasse em algum lugar o final.

Copyright@ 2006-2010 - Revista TV Séries. Textos com seus direitos reservados.